segunda-feira, 16 de setembro de 2013

Unidades centrais de ar condicionado: - não está na hora de ter uma norma sobre isso?

Os profissionais que "circulam" por instalações de ar condicionado central no Brasil sabem que muitas delas operam em condições inadequadas e, às vezes, lamentáveis.
Em geral, pode-se verificar bons projetos que, quando saem do papel para a instalação sofrem enormes desvios.
Quando tratamos de unidades centrais de ar condicionado (conforto) ou unidades mais complexas de tratamento de ar, isto fica também bastante evidente.
A busca pelo bom desempenho dos equipamentos é uma realidade que deve ser enfrentada pelos projetistas, instaladores e administradores.
O uso de equipamentos com projetos e construção duvidosos compromete, além do desempenho técnico, a qualidade do ar fornecido aos usuários e / ou processos.
Além disso, fatores como alto desempenho energético também são importantes para os custos operacionais da instalação ao longo de seu ciclo de vida.
Fora do Brasil já existem normas que abordam diretamente os requisitos de desempenho das unidades de ar condicionado central e também as unidades de tratamento de ar para fins de alta higiene.
Estas normas determinam a classificação dos equipamentos com respeito ao seu desempenho energético, isolamento térmico, deflexão e resistência mecânica dos painéis de construção, estanqueidade global, estanqueidade dos caixilhos de filtragem, nível de ruído, entre outros.
Classificados desta maneira os equipamentos poderão ser, em primeiro lugar, equiparados tecnicamente e, mais adiante, selecionados conforme a real necessidade dos usuários.
Trata-se de uma enorme ferramenta aos projetistas.

Abaixo, apresento alguns critérios de classificação de equipamentos conforme norma europeia DIN EN 1886 que é referência neste assunto:

Vazamento / Estanqueidade dos gabinetes:


Isolamento térmico:

Pontes térmicas nos perfis estruturais:

Resistência mecânica dos painéis:

Vazamento admissível nos caixilhos (de acordo com a eficiência do filtro):


Infelizmente no Brasil ainda não há uma norma que é referência para a classificação dos equipamentos tipo Fan Coil ou equipamentos maiores com Expansão Direta.
E, a grande consequência disso são sistemas com menor eficiência energética, além da qualidade do ar, por vezes, comprometida.





terça-feira, 10 de setembro de 2013

SBCC promoverá ciclo de palestras gratuitas na Febrava

A SBCC (Sociedade Brasileira de Controle de Contaminação) irá promover um ciclo de palestras gratuitas em seu pavilhão durante a Febrava - tradicional feira de HVAC, que ocorrerá entre os dias 18 e 21 Setembro.

Serão diversos temas abortados pelos especialistas convidados, inclusive o que há de mais recente no que diz respeito às normas vigentes e tecnologias para os sistemas de HVAC e controle da contaminação do ar.

A inscrição é gratuita e as vagas são limitadas. Para fazer a inscrição basta entrar clicar no link a seguir:
http://www.sbcc.com.br/inscricao/


segunda-feira, 9 de setembro de 2013

Fapesp: Pesquisa relaciona os níveis de poluição atmosférica e a quantidade de estudos científicos produzidos sobre o tema

"Por Karina Toledo, de Caxambu
Agência FAPESP – Em um artigo publicado em agosto na revista Nature Reviews Cancer, pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) apresentam um mapa da poluição atmosférica no mundo e mostram que os países com piores índices de qualidade do ar são justamente aqueles com menor produção científica sobre o tema..."
Mais detalhes em: http://agencia.fapesp.br/17827
Está aí nossa missão (de todos nós): - Desenvolver pesquisas e conhecimento a respeito do tema, para que possamos cada vez mais entender os efeitos e prover tecnologia para o controle da contaminação.

terça-feira, 30 de julho de 2013

NBR ISO 29463-1 (norma de classificação de filtros EPA, HEPA e ULPA) está em consulta pública.

Em continuidade aos trabalhos da Comissão de Estudos Especiais - CEE-138, entrou em consulta pública até o próximo dia 23/08 a norma NBR ISO 29463-1: Filtros e meios filtrantes de alta eficiência para remoção de partículas no ar – Parte 1 – Classificação, ensaio de desempenho e identificação.

Esta norma faz a introdução da série de normas ISO 29463 (partes 1 até 5) que tratam dos ensaios em fábrica a serem realizados nos filtros de alta eficiência (anteriormente chamados por aqui de Absolutos).

A sua entrada em vigor colocará o Brasil como um dos primeiros países a adotar esta norma mundial e em sintonia com as melhores práticas internacionais.

Desta forma, os fabricantes que desejarem se adequar poderão informar aos seus clientes as eficiências de filtragem e os critérios de ensaio de acordo com esta nova publicação.

Abaixo está reproduzida a tabela principal de classificação da norma NBR ISO 29463-1.

Para votação, deve-se buscar o site da ABNT, na seção consulta nacional.

quarta-feira, 3 de julho de 2013

ANVISA publica Guia da Qualidade para sistemas de tratamento do ar

A ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) publicou recentemente um "Guia da Qualidade para Sistemas de Tratamento do Ar e Monitoramento Ambiental na Indústria Farmacêutica".
Trata-se de um documento bastante atualizado e completo que apresenta alguns conceitos relativos ao controle da contaminação em sistemas de ar HVAC para aplicações especiais (salas limpas) na indústria farmacêutica.
Além disso, o documento trata do monitoramento ambiental e controle das partículas viáveis e não viáveis.
Recomendo fortemente sua leitura para os interessados no assunto.
O download é gratuito em PDF pelo Link abaixo:
http://portal.anvisa.gov.br/wps/wcm/connect/d5d225804f8ca88b81baf59a71dcc661/qualidade_do_ar_final.pdf?MOD=AJPERES

Artigo técnico sobre ensaios em filtros HEPA e ULPA para salas limpas

Colegas,

Recentemente fiz alguns ensaios em filtros HEPA com tecnologias diferentes e abaixo está o link de um artigo técnico que escrevi baseado em um destes ensaios.
O objetivo é comparar os métodos descritos na norma ISO 14644-3 através da uso do CPD (contador de partículas discretas) e o Fotômetro de aerossol.

Abraços,

Senatore

http://issuu.com/forumqualidadedoar/docs/determining_leakage_hepa_iso_14644-_5a5fad35c9e838

terça-feira, 11 de setembro de 2012

Publicada a 1ª Norma Brasileira de Filtros de ar

Já está disponível para compra a norma NBR 16101:2012 - Filtros para partículas em suspensão no ar - Determinação da eficiência para filtros grossos, médios e finos.
Ela passa a vigorar em 29/09/12 e será a referência para a classificação de filtros grossos, médios e finos.
A elaboração desta norma foi fruto do trabalho de quase 4 anos do CEE-138 (comissão de estudos especiais da ABNT) que reuniu diversos especialistas.
Inicialmente os trabalhos foram conduzidos pelo CB-46 e SBCC, pois por sua iniciativa o grupo fora criado para atender às demandas do mercado usuário de filtros.
Até a publicação desta norma, não havia no Brasil uma única norma de referência no que diz respeito aos ensaios de desempenho de filtragem e classificação dos filtros de ar. Muitas vezes os usuários e projetistas recorriam às normas européias ou norte-americanas para o selecionamento e especificação dos filtros.  Agora, será possível especificá-los considerando a norma brasileira, uma vez que ela contempla os últimos conceitos de ensaio vigentes no exterior.
Além da explicação do procedimento de ensaio de filtros, as principais novidades presentes na nova norma brasileira são:

- a) inclusão da categoria de filtros de média eficiência (filtros médios), classe M5 e M6;
- b) inclusão do critério de eficiência mínima no ensaio, seja com o filtro novo, seja com o meio filtrante sem carga eletrostática.  Este critério é valido apenas para os filtros finos classe F-7, F-8 e F-9, mas é de fundamental importância, pois determina a eficiência mínima que o filtro apresentará sob as condições de ensaio;
- c) Inclusão de um anexo de convenções, cujo objetivo é padronizar a nomenclatura utilizada para os filtros, dimensões reais, identificação e dados mínimos a serem informados pelos fabricantes;
- d) Inclusão de um anexo (baseado na recente norma Eurovent 4/11) que permite a comparação do consumo energético associado aos filtros, sob as condições do ensaio, visando diferenciar o comportamento de produtos ao longo do seu uso.

O principal objetivo desta norma é divulgar os conceitos e tecnologias envolvidas na produção, classificação e uso de filtros de ar para aplicações de ventilação geral, ar condicionado, salas limpas e processos industriais.

Vale lembrar que a norma não trata de filtros EPA, HEPA ou ULPA. Estes estão sendo tratados na norma ISO 29463 que está disponível para compra no site da ISO (www.iso.org) e futuramente será traduzida pelo CEE-138.

Além disso, acredita-se que, através dos procedimentos apresentados os usuários possam usá-la como ferramenta importante no selecionamento de filtros e decisão de compra.

Para a aquisição da norma, basta visitar o website da ABNT - www.abntcatalogo.com.br e procurar pela norma 16101. O download pode ser feito diretamente do site após o pagamento.